fbpx

O home office é uma modalidade de trabalho já bastante comum em muitos países. No Brasil, vem ganhando cada vez mais espaço, também conforme as relações trabalhistas se modificam. O que talvez não muita gente saiba é que o modelo também é super viável no serviço público.

Já faz um tempo, diversos órgãos públicos permitem o trabalho remoto, enquadrando-o nas regras do que é chamado de teletrabalho. No entanto, até o fim do ano deve entrar em vigor a lei que regulamenta o home office para os servidores públicos dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, autarquias e fundações federais, desde que os resultados do trabalho possam ser efetivamente mensurados.

De qualquer maneira, é importante reforçar que, no serviço público, nada muda na relação ao desempenho no trabalho. A única diferença é no local onde o funcionário está! Quando vinculado a uma organização pública, ele ainda tem que fazer entregas diárias, tem obrigações e metas a cumprir. Da mesma forma, tem todos os direitos  dos quais os servidores que atuam  no modelo tradicional desfrutam.

Todo mundo pode fazer home office?

Se alguém chegou até aqui sem ter muita certeza do que estamos falando, vamos explicar: trabalho em home office é quando a pessoa desempenha suas atividades profissionais integral ou parcialmente em sua própria casa. Inclusive, na tradução ao pé da letra do inglês, home office significa “escritório em casa”.

Claro, nem todas as atividades são elegíveis ao home office. Quem trabalha atendendo ao público ou gerenciando uma equipe, por exemplo, não consegue se enquadrar no modelo.

Além disso, a modalidade requer muita disciplina e foco. Por isso, antes de optar por ela,  é fundamental buscar informações a respeito para saber se você tem um perfil que se adapte às necessidades.

Quais os prós e os contras do home office?

Ainda há muita desinformação a respeito do home office. E isso acaba gerando um certo preconceito ou desconfiança – tanto das empresas, quanto dos trabalhadores mais acostumados aos modelos formais. Fato é que a modalidade, assim como a mais tradicional, tem pontos positivos e negativos, tanto no lado profissional quanto no pessoal. Listamos algumas abaixo.

Prós

Mais qualidade de vida

Na maioria dos casos, a pessoa que adota o modelo home office dorme e se alimenta melhor.  O fato de não ter que contar com o tempo de deslocamento agrega horinhas a mais no sono da manhã. Da mesma forma, quem está em casa tem a chance de preparar um almoço mais saudável, sem ter q recorrer a buffets executivos onde as opções quase sempre deixam a desejar e as tentações “ogras” são muitas.

Autogerenciamento do tempo

Embora no home office você ainda tenha metas a cumprir, tem mais liberdade para usar o tempo da maneira que achar melhor. Por exemplo: se você é mais produtivo à noite, pode focar no trabalho nesse horário e tentar deixar a manhã livre para algumas atividades pessoais. Desde que suas entregas estejam em dia e você esteja disponível para resolver eventualidades, normalmente não há problemas quanto a isso.

Mais independência

Há pessoas que funcionam muito melhor longe da pressão do escritório. Sentem-se mais à vontade e livres para desempenhar suas funções sem chefe ou colegas por perto. Essa sensação de independência e autonomia pode fazer com que o profissional se torne ainda mais produtivo.

Reduz estresse no trânsito

Este talvez seja o maior pró para quem vive em grandes centros urbanos, como São Paulo, por exemplo. Nesses locais, o tempo perdido no deslocamento, especialmente em horários de pico, pode chegar a até 4 horas por dia! Um estudo recente, apontou que o paulistano passa, por ano, um mês e meio preso no trânsito. É um desgaste muito grande, que causa um estresse enorme.

E se você é usuário do transporte público,há o agravante da falta de segurança e a exposição às intempéries do clima (muito calor, muita chuva, muito frio).  Então, se poupar desses inconvenientes é uma das maiores vantagens do home office.

Redução de custos

Almoçar em casa e evitar o trânsito são dois pontos que, além de melhorarem sua qualidade de vida, vão ajudar seu bolso! Isso porque os gastos com alimentação na rua e deslocamento (seja com seu veículo ou no transporte público) são grandes pesos no orçamento. Assim você pode investir esse dinheiro quando for a um bom restaurante na folga ou dar um passeio com a família.

Diminuição da pegada no planeta

Como vivemos tempos em que se fala muito em sustentabilidade – e, de fato, ela é vital para o meio ambiente – podemos destacar como um benefício do home office  a diminuição da pegada ecológica. Mas o que é isso? Explicamos: pegada, no caso, significa o impacto dos seus hábitos no planeta. Por exemplo: ao deixar de usar o carro todos os dias para se deslocar até o escritório você reduz (e muito!) a emissão de CO2 (que agrava o aquecimento global).  

Contras

Isolamento social

Este é um verdadeiro perigo do home office! Como a pessoa trabalha em casa, obviamente não terá colegas no entorno. A comunicação, quando houver, será feita pelo telefone ou pela internet. Essa praticidade toda é maravilhosa, mas pode acabar sendo prejudicial se não for dosada. Isso porque pode fazer com que você se isole socialmente, deixando de interagir com outras pessoas ao vivo.

O ideal é tentar manter uma vida social ativa. Não é porque você não bate cartão-ponto que não pode participar de happy hours com os colegas, não é mesmo? Outra opção é, uma ou duas vezes por semana, trabalhar em um coworking. Há vários muito bem equipados em todo o país.

E também é essencial ter uma agenda que o obrigue a “desentocar”, para encontrar amigos e conhecer gente nova. Tente frequentar uma academia (ou qualquer outra outra atividade física), faça cursos do seu interesse, vá a festas.

Perda da troca de experiências

O item acima, sobre isolamento social, não diz respeito apenas aos momentos de diversão, mas também ao intercâmbio de experiências. Sem tanto contato com outras pessoas, acaba-se perdendo insights, bate-papos e troca ideias – coisas que são fundamentais para ampliar horizontes, ver sob novas perspectivas e instigar a criatividade.

Perda de privacidade

Se você mora com outras pessoas, por vezes pode ser difícil fazê-las entender que, mesmo em casa, você não está de folga. Dessa forma, interrupções podem acontecer  e comprometer sua produtividade.

Possibilidade de excesso de trabalho

Aquela ideia de que em casa se trabalha menos não é bem assim: sem a rigidez de um cartão-ponto ou horário de expediente, pode-se acabar trabalhando horas a mais todos os dias. E se você é freelancer, por exemplo, recebendo por produção, a coisa pode ficar pior!

É preciso cuidado para não extrapolar seus limites e acabar ainda mais estressado, comprometendo sua saúde física e mental. Imponha-se alguns horários, atente para as pausas e, como indicamos no item anterior, mantenha uma rotina externa que lhe obrigue a desligar do trabalho.

O que preciso ter/saber para o home office?

Muito bem, se você pode optar pelo trabalho remoto e acredita que se enquadra no perfil, há algumas coisas que precisa saber antes de encarar o novo desafio. Especialmente quando se trata do ambiente no qual vai desempenhar suas funções na casa.

O primeiro passo é acertar com seu empregador a cargo de quem ficam os equipamentos que serão necessários para o trabalho. O computador é você quem providencia? E telefone? Terá um celular corporativo? Enfim, são acordos importantes para evitar complicações futuras.

Depois, é preciso escolher um lugar na casa em que você e outros ocupantes não se atrapalhem. Um escritório é o ideal, mas nem todo mundo dispõe de um espaço assim. Um cantinho bem ventilado e iluminado no quarto ou na sala já podem resolver a questão.

E leve em conta o fato de que passará praticamente o dia inteiro nesse local. Por isso, ele precisa ser também confortável. Uma cadeira adequada, equipamentos de ergonomia (suporte para note, apoio para os pés), uma mesa para espalhar seu material, prateleiras… Esses são pontos a se levar em consideração.

Que órgãos públicos adotam o home office?

Os órgãos públicos que adotam o home office não o fazem pensando apenas no bem-estar do funcionário, claro. Ao permitirem o trabalho remoto, diminuem consideravelmente  gastos com a manutenção dos escritórios, água e luz, por exemplo. Isso sem falar em despesas com transporte e alimentação dos servidores.

Em contrapartida, os gestores esperam que a produtividade aumente, já que, normalmente, são impostas metas entre 10% a 30% superiores  aos funcionários que fazem home office, na comparação com os colegas que atuam exclusivamente no modelo presencial. Aliás, esse é um grande questionamento: seria justo?

Justo ou não, é fato que os servidores dos tribunais em todo o país que optam pelo trabalho remoto têm, comprovadamente, um rendimento maior. No  Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJPE), por exemplo, relatórios de produtividade apontaram que os trabalhadores em home office superaram em mais de 10% a meta – que, vale lembrar, já era mais alta que os demais!

Enfim, a discussão é longa e há muitas perspectivas. O home office ainda engatinha no Brasil e há muito a ser elaborado. Mas, se você se interessou pelo modelo, pode começar a pensar em prestar um concurso para algum dos órgãos que utilizam a modalidade. Confira abaixo quais são eles.

Tribunal de Contas da União (TCU)

O TCU foi pioneiro na adoção do trabalho remoto. Já em 2009 havia servidores atuando no modelo de teletrabalho, mesmo que com regras ainda bastante difusas. À época, era permitido que não mais que 30% da lotação atuasse sob essa modalidade.  

Tribunal Superior do Trabalho (TST)

Também um dos primeiros a testar o modelo, em 2012 o TST passou a permitir até 30% de seus servidores trabalhassem de forma remota.Em 2014, já 50% da lotação podia se beneficiar do home office.

Tribunal de Justiça São Paulo (TJSP)

O TJSP implementou oficialmente o teletrabalho no início de 2015. O modelo é oferecido para escreventes técnicos judiciários que trabalham com processo digital. O sercidor que se candidata, passa por uma avaliação de perfil e pode fazer home office em apenas um ou dois dias na semana.

Tribunal de Justiça do Estado de Pernambuco (TJPE)

O TJPE Passou a permitir modelo em 2016 e para até 20% de sua lotação. Por lá, a meta dos servidores em home office é 30% superior aos que estão no escritório diariamente.

Conselho Nacional de Justiça (CNJ)

O CNJ passou a permitir o home office apenas no ano passado e há perfis prioritários: pessoas com deficiência, com filhos, cônjuges ou dependentes com deficiência, gestantes e lactantes.

Superior Tribunal Federal (STF)

O STF passou a permitir o modelo em 2016, apenas para servidores lotados no Distrito Federal. Quem optar pelo home office precisa, ainda, ter autorização da presidência da corte, do diretor-geral ou do chefe de gabinete. Além disso, deve participar de reuniões presenciais quinzenais.

Banco do Brasil (BB)

Ainda em 2015 o Banco do Brasil já permitia o modelo, com metas de produtividade 15% maiores para quem optasse pelo trabalho remoto. O home office por lá também é preferencial para portadores de deficiência e mulheres. E é obrigatório trabalhar de forma presencial na agência ao menos uma vez por semana.

Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE-SP)

O TCE-SP adotou o teletrabalho em caráter experimental ainda em 2016. O modelo é válido para quem tem, pelo menos, três anos de efetivo exercício das atividades na autarquia.

Departamento de Trânsito do Distrito Federal (Detran-DF)

Desde o início de 2017, o governo do Distrito Federal autoriza seus servidores a trabalharem no modelo remoto, desde que cumpram metas superiores aos que estão no modelo tradicional. Aqueles que atendem ao público externo e interno, quem ocupa função comissionada ou cargo de chefia não está elegível à modalidade.

Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4)

O TRF-4, que abrange os três estados do sul do país (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul), instituiu o home office em 2013, com limite de 30% da lotação. Em 2015, foi autorizado o aumento para 40%.

Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE/PR)

Desde 2015 os servidores do TRE-PR podem optar pelo home office, com exigência de um rendimento, pelo menos, 10% superior aos colegas no modelo tradicional.

Ficou ainda com alguma dúvida sobre o home office no serviço público? Deixe abaixo seu comentário! Será um prazer lhe ajudar a entender melhor esse universo cheio de possibilidades.

 

Gostou do artigo?
[Total: 3 Average: 5]


Planilha de Estudos

Inscreva-se agora para baixar gratuitamente a Planilha definitiva de Estudos!

Confirme seu e-mail e baixe a planilha!